Dravya Guna – Farmacoterapia Ayurvédica

O acharya P V Sharma define Dravyaguna como o ramo do Ayurveda que relaciona-se com as propriedades, ações e efeitos terapêuticos das drogas utilizadas na Medicina Ayurvedica. As drogas utilizadas são de 3 origens: animal, mineral e vegetal. Na nossa realidade utilizamos, principalmente, os medicamentos de origem vegetal, a denominada fitoterapia ou uso terapêutico das plantas medicinais.

O Ayurveda afirma que existem 7 constituintes de Dravya Guna, a saber: Dravya ou substancias que possuem Guna, ou propriedades, e Karma, ação. Segundo Caraka as substâncias ( Dravyas) são formadas pelos Pancha Maha Bhutas, os 5 grandes elementos da natureza: éter, ar, fogo, água e terra. As propriedades destas substâncias ou drogas são influenciadas pelas concentrações destes elementos na sua composição. Podemos citar o exemplo do gengibre, excelente digestivo, que possui o elemento fogo, fonte do picante nesta planta medicinal.

Rasa, aquele constituinte de Dravya Guna percebido pela língua, ou sabor da substância. O Ayurveda afirma que existem 6 sabores : doce (madhura), formado pelo elemento água e terra, ácido (amla), constituído de fogo e terra, sal (lavana), possui água e fogo, picante (katu), formado por ar e fogo, amargo (tikta), apresenta ar e éter, e por último adstringente (kashaya), constituído de ar e terra. Estes 6 sabores são utilizados na escolha da dieta e dos medicamentos no Ayurveda.

Guna, são as propriedades físicas de um medicamento que são responsáveis pela sua ação terapêutica. Os Gunas são divididos em 20 qualidades principais que são fundamentais para a escolha da droga adequada ao tratamento. Dentre estas qualidades podemos citar o leve (laghu) e pesado (guru). Os medicamentos leves diminuem o peso corporal, reduzem Kapha e aumentam Vata Dosha. Já as drogas com propriedades pesadas aumentam o peso do corpo, reduzem Vata e elevam Kapha Dosha.

Virya, a potência pela qual a droga produz o efeito terapêutico e controla a ação dos medicamentos. O frio (seeta) reduz a temperatura corporal, acalma Pitta Dosha e agrava Vata e Kapha. Já o calor (ushna) aumenta a temperatura corporal, agrava Pitta Dosha porem diminui Vata e Kapha.

Vipaka, a propriedade das drogas que são responsáveis pelas mudanças no sabor original. Também é chamado de sabor pós-digestivo devido a exposição das enzimas digestivas. As substancias doces e salgadas possuem Vipaka doce, as drogas com sabor ácido apresentam Vipaka ácido, já os medicamentos com sabor picante, amargo e adstringente tornam-se picante após a digestão.

Prabhava, um resultado especial que não pode ser explicado pelas propriedades ou qualidades das drogas. Podemos citar como exemplos: o mel e o limão. O mel que é uma substancia doce não aumenta Kapha, que é um Dosha, normalmente, agravado por alimentos adocicados. Já o limão que é uma fruta ácida não agrava Pitta, um Dosha, normalmente, elevado por substâncias ácidas.

Por último os autores referem o Karma, ou ação terapêutica, como também constituinte de Dravya Guna. Esta ação farmacológica das drogas depende de Rasa, Guna, Virya, Vipaka e Prabhava. Através deste pequeno artigo podemos observar a complexidade da farmacoterapia Ayurvedica e a necessidade de estudos com professores com experiência na utilização de Dravya Guna.

Dr. Aderson Moreira da Rocha

Clínico geral, reumatologista e acupunturista

Mestre e doutorando em Saúde Coletiva pela UERJ

Presidente da Associação Brasileiera de Ayurveda, visite: http://www.ayurveda.com.br